Blog Sustentabilidade

Diálogos e debates

Alimentos: (não) são uma commodity, (não) são mercadorias

Alimentos: (não) são uma commodity, (não) são mercadorias
Com Legal! Otimismo realidade esperança foi lançado o quinto livro de Luc Vankrunkelsven sobre o Brasil. Quem conhece o seu trabalho, sabe que este é um retrato crítico da sociedade brasileira e europeia, tomado a partir da perspectiva da agricultura e produção de alimentos. Mas, como os capítulos têm origem em pequenas experiências e observações, os leitores são “duplamente servidos”: eles novamente recebem tanto um panorama dos desafios que os hemisférios Norte e Sul enfrentam nesta área, quanto uma visão da vida neste ambicioso país BRIC da América Latina, com todos os seus paradoxos.

 

 ‘Legal’ é um título meio estranho para um livro. Mas, o subtítulo traz as palavras ‘otimismo’, ‘realidade’ e ‘esperança’. A mensagem, portanto, é clara: um certo otimismo é justificado, porém deve ser confrontado com a realidade. Só assim pode surgir a esperança, explica Vankrunkelsven: junto com Vaclav Havel [poeta e ex-presidente da República Tcheca], ele a enxerga como a garantia significativa de que aquilo que se faz é bom ou ‘legal’.

Quem tem alguma experiência com seus livros anteriores, já imagina o que se esconde por trás do título. Brincando com os diferentes significados da palavra ‘legal’ que tanto pode significar algo ‘agradável’, na gíria, quanto ‘dentro da lei’ num sentido mais estrito – o autor trata de tudo aquilo que – ‘legalmente’ é possível nos termos da lei, enquanto do ponto de vista ético, agrícola ecológico ou sócio-político poderiam ser colocados muitos pontos de interrogação. O foco principal são os temas típicos do Grupo de Trabalho por uma Agricultura Justa e Responsável (Wervel, da Bélgica), do qual Vankrunkelsven é um dos líderes: a produção de alimentos no Norte e no Sul, e a interação entre ambos, abrangendo também os direitos dos agricultores e das agricultoras, a relação com o meio ambiente. Temas importantes no contexto de políticas agrícolas globais e locais, mas também para os consumidores do Norte e do Sul, que enfrentam o impacto dessas políticas a curto, médio ou longo prazo. Temas que também suscitam questões éticas, enquanto o pensamento sobre os temas geralmente é calcado numa abordagem puramente econômica. Neste sentido, o livro oferece material para reflexão para muitos – e não somente para aqueles que se ocupam destes temas diariamente. Para aqueles que acompanham o raciocínio, é inspiração para a mudança. Afinal, a conexão entre meio ambiente, agricultura e consumo muito raramente é feita. Novamente o Brasil é visto como um espelho para a Europa, com momentos de reconhecimento e de estranhamento.

Especificamente, muitas vezes se trata da relação com os alimentos, as circunstâncias e as conseqüências da produção de alimentos para o meio ambiente, o ser humano e os animais. Alguns dos temas abordados: urbanização, o consumo muitas vezes excessivo de carne, a política e a prática da agroecologia, os projetos em torno da agricultura familiar, a ameaça do Cerrado – com uma riqueza em biodiversidade igual à das florestas tropicais , a política alimentar nacional e para o exterior, a linguagem do 'greenwashing', um tipo de promoção que utiliza o discurso de proteção do meio ambiente de forma enganosa e dissimulada, numa analogia com ‘brainwashing = lavagem cerebral', e muito mais. Não é por acaso que o livro trata muitas vezes de soja, carne, cana-de-açúcar, florestas e matas, direitos e poder, capitalismo e os modelos alternativos. Além disso, sempre aparece no tema da interdependência: a dependência mútua criada pelas exportações de soja para a Europa e agora também a China – para ração animal – e que também torna o Brasil dependente da Europa.

A pontos nevrálgicos são, de fato, situados por Vankrunkelsven no sistema capitalista, que ele contrapõe ao comunitário ou ao cooperativo. Ele dá atenção ao impacto da política nacional e internacional na produção, mas dedica, pelo menos, a mesma atenção “política de produção” de inspiração comercial dos gigantes transnacionais de alimentos, que tratam os alimentos como umacommodity, ou seja, uma mercadoria. Neste processo, Vankrunkelsven destaca regularmente empresas como Cargill, Nestlé, etc. É uma ambição – legal (legítima) – de Vankrunkelsvens revelar o poder oculto e mostrar como uma mensagem aparentemente atraente pode ocultar planos ‘obscuros’. Ele também aponta regularmente o papel do consumidor, que, em princípio, tem a opção de refletir sobre seu próprio comportamento de consumo e, pelo menos parcialmente, fazer as suas próprias escolhas.

É impossível resumir o livro, mas ele é, pelo menos, revelador e de confronto, com obviamente um enfoque crítico, característico de textos que visam sensibilizar. Para aqueles que acompanham a história, é profético. Para aqueles que confiam no sistema capitalista, certamente é crítico demais. De qualquer maneira, alguns fatos permanecem incontestáveis.

O próprio conceito em si torna um resumo menos óbvio. É que o livro oferece, em formato de crônicas, as impressões e observações sobre suas viagens pelo país, que são desenvolvidas nas reflexões. Por isso, é melhor que o leitor não espere descrições abrangentes ou sistemáticas dos processos econômicos e outros, nem um aprofundamento sistemático de um único tema, muito menos de uma série de temas. Mesmo assim, regularmente, há abordagens profundas, porque Vankrunkelsven conhece o país e a língua muito bem agora. Ele também é capaz de interpretar um panorama ou um evento a partir de toda sua vivência, situar pequenos fatores dentro de uma situação maior e apontar os fatos individuais em um contexto mais amplo, apresentando um relatório fascinante e engajado sobre uma realidade complexa.

A novidade é que o livro ganhou cor, literalmente, graças às colagens de estudantes de arte brasileiros da Universidade Federal do Paraná, campus Matinhos que ilustram cada crônica. Outra novidade são os poemas do poeta brasileiro engajado Cleverson de Oliveira, de Curitiba, mas que vive em Bruxelas. Regularmente algumas informações adicionais teriam sido úteis, por exemplo, sobre determinadas termos, ou um mapa.

Portanto, um livro revelador para aqueles que estão interessados na produção de alimentos, comércio de alimentos, consumo de alimentos e a ligação entre os agricultores do Norte e do Sul, os consumidores e o meio ambiente.

 

João Glorieux

 

Luc Vankrunkelsven, Legal! Otimismo - realidade – esperança, 254 p., Cefuria, Curitiba, 2012. Publicado simultaneamente em neerlandês com o título Legal! Optimisme – realiteit – hoop, 186 p., Wervel, Bruxelas, 2012.

Lido 1086 vezes
0 comentários. Dê sua opinião e compartilhe.